É A ECONOMIA, ESTÚPIDO! – Governo está mortinho para abraçar o FMI porque já se sente… mortinho!
24 Nov

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO! – Governo está mortinho para abraçar o FMI porque já se sente… mortinho!

Olá, amiguinhos que se distraíram com o 1º Festival Internacional de Cimeiras de Moscavide, e que se esqueceram por momentos que muito em breve as nossas crianças estarão empregadas numa fábrica em Santa Iria da Azóia a fabricar réplicas de Magalhães carregadinhas de cádmio!

Estão preparadinhos para levar com as medidas do FMI pelo pacote acima? Já lubrificaram as carteiras? E o ânus? Então agarrem-se a um balde de banha de porco rapidamente, pois será o vosso melhor amigo em 2011. Isto se quiserem continuar a poder sentar-se normalmente, que as medidas do FMI são grandes, grossas e vão fundo sem olhar a género.

Mas antes de falar do FMI, vamos abordar aquilo em que realmente somos bons, que é… organização de eventos. Governar já é mais difícil, mas a forrar a FIL a vinil ninguém nos bate.

Até a minha parte no evento correu muito bem. Todas as acompanhantes de luxo couberam debaixo das mesas, e satisfizeram todos os chefes de Estado. Apenas uma delas teve um pequeno acidente com o debruado da capa de Hamid Karzai que lhe ficou presa no aparelho dentário. Mas fora isso, foi uma limpeza.

O melhor organizador de eventos do mundo e também de Portugal.
O melhor organizador de eventos do mundo e também de Portugal.

As minhas meninas foram apreciadas por todos os homens – incluindo a chanceler Merkel – conseguimos suster os anarquistas, a EMEL bloqueou o avião de Berlusconi com ele lá dentro, e o cão Bo ganhou uma coleira de cortiça. Organizámos uma belíssima festa! Só foi pena não terem deixado gorjeta. Seis mil milhões chegavam para resolver o problema do mestre de cerimónias Sócrates.

Anyhoo, FMI. A Irlanda já se quilhou! Os especuladores apertaram o cerco ao país, com o legítimo receio de perder alguns euros. Acho muito bem! Se alguém tem de perder dinheiro que seja o povo, que não têm Heesens Yatchs de sessenta e cinco metros de casco de alumínio para sustentar. O primeiro-ministro irlandês, Brian Cowen, tem agora apenas duas soluções. Ou nacionaliza e vende os U2 à China, ou recorre ao FMI.

O que leva a perguntar, quantas Anas Malhoas teríamos nós de vender para evitar o FMI? Pelas minhas contas seriam 716 mil, ou 358 mil por seio. Infelizmente, e mesmo revirando toda a linha de Sintra, não encontraremos mais de vinte ou trinta potenciais Anas Malhoas, pelo que lá teremos de mamar na teta do FMI.

Brian Cowen, que ainda quer continuar a usar a cadeira de PM, terá de descalçar esta bota. Já o nosso Sócrates, não tem mais pachorra para se preocupar com esses detalhes de bancarrota e está a fazer tudo para que o corram do cargo o mais rapidamente possível. Venha o FMI, que o Sócrates está mortinho politicamente, e mortinho para perseguir a sua carreira como vendedor de carros electricos e energias renováveis. Ou organizador de eventos, casamentos e baptizados.

É a Economia, lusus anus abertus.


Nota do autor (2015): Pedro Biltre Farfalho é um personagem fictício, supostamente versado em economia. Com uma personalidade estúpida e machista, foi o primeiro neo-liberal português, já que todos os textos foram escritos numa era pré-Passos. E por neo-liberal entenda-se, um prestador de serviços que está onde está o dinheiro.