É A ECONOMIA, ESTÚPIDO! – Passos queria montar Sócrates tal coelho, mas no fim será ele o fornicado à bruta
13 Out

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO! – Passos queria montar Sócrates tal coelho, mas no fim será ele o fornicado à bruta

Caros belicosos, teimosos e pantomineiros orçamentistas:

Já repararam no rambolínio que andam a fazer com a aprovação do orçamento? Uma pessoa quer dormir à sombra da reforma do Banco de Portugal, quem sabe concorrer à presidência, e vocês não se calam! É uma algazarra quase tão áspera quanto a canção que o Pacheco Pereira escreveu para a Ferreira Leite embalar os netos. Não vou cantá-la, mas o refrão mete Sócrates, Freeport e asno, só para terem uma ideia.

Aliás, a vozearia é tão alta e tão frequente, que já há portugueses a saber o que é um duodécimo. Mas apesar deste impasse servir para vender jornais da mais fina qualidade como o nosso O Indesmentível, o Crime ou o Sol, esta discussão é quase tão irrelevante como o contributo do Miguel Relvas para a política portuguesa.

Toda a gente já percebeu que o Passos queria armar-se em coelho, comer o rabinho felpudo de Sócrates por trás, e ser o macho alfa da toca de São Bento o mais rapidamente possível. Por outro lado, ser o rei da toca implica uma coisa algo desagradável para a sua carreira política que é, deixa ver, ah, governar.

Querias comer o Sócrates mas o matreiro do PM destrunfou-te com o corte na despesa
Querias comer o Sócrates mas o matreiro do PM destrunfou-te com o corte na despesa

Assim sendo, Passos deixou passar para além do limite estabelecido pela Constituição o timing para a sodomização pública de Sócrates, para agora poder dizer “agarrem-me pelas orelhas ou puxem-me o pompom senão eu mando-lhe com a malguinha da água à cabeça”.

Claro está que isto é tudo teatro, aliás do mais amador e inverosímil que já assisti. E os caros leitores devem imaginar a quantidade de vezes a que assisti em posição privilegiada a mulheres a fingir orgasmos. Isto é muito pior.

Anyhoo, quem é que acabará por ser comido por trás por uma pila enrolada em espinhos de rosa? O dei-um-salto-maior-do-que-as-minhas-patitas-Passos Coelho, que não tem outro remédio que não seja viabilizar o Orçamento, caso contrário arrisca-se a ir para o governo.

E eu compreendo o bunny Passos: um líder que se projecte num governo ministriado por Miguel Relvas, Nogueira Leite ou Paulo Teixeira Pinto tem todas as razões para não querer ser o rei da toca enquanto os três estarolas não sejam abatidos e servidos num jantar em Belém. Pensa nisto, Passos Coelho, e começa a limpar a cartucheira.

É a Economia, Pedro Passos Felpudinho.


Nota do autor (2015): Pedro Biltre Farfalho é um personagem fictício, supostamente versado em economia. Com uma personalidade estúpida e machista, foi o primeiro neo-liberal português, já que todos os textos foram escritos numa era pré-Passos. E por neo-liberal entenda-se, um prestador de serviços que está onde está o dinheiro.