É A ECONOMIA, ESTÚPIDO! – Habemus Cavacum e lusos anus f*didus, mas orçamentum não!
27 Out

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO! – Habemus Cavacum e lusos anus f*didus, mas orçamentum não!

Olazinho.

Depois de um suspense de polichinelo, eis que surge a confirmação da recandidatura que toda a direita – pelo menos a que já teve demasiados casamentos na vida para achar que é uma coisa boa portanto se os panisgas querem saber o que é pagar pensão de alimentos é lá com eles – aguardava: Habemus Cavacum!

Por acaso estava já a ficar um pouco farto de tabus da treta, de silêncios da treta e de Santanas Lopes. Tanto mais que, assim fui indigitado para tratar dos croquetes e pasteis de massa tenra do anúncio do Cavaco no CCB, tratei de mandar a mensagem à mais influente porteira do país, o professor Marcelo.

E pronto, eis que do frenesim mediático das negociações do orçamento se põe a sociedade a falar de algo que não seja “as p*tas da Casa dos Segredos são mesmo boas”, ou “vão abrir-me um rombo no ânus tão grande que vou conseguir guardar lá três hipotecas e o crédito das férias a Punta Cana”. Habemus Cavacum!

O partido dele é Portugal ou Portugal partido?
O partido dele é Portugal ou Portugal partido?

Anyhoo, já há notícias da renda de bilros que o Teixeirinha e o Catroga andaram a tecer. Parece que a coisa andava ali pendurada entre o leite chocolatado e o píres de tremoços, mas acabou por se resolver a favor de ninguém. Não há fumo branco. Não Habemus orçamentum!

Já repararam que o Sócrates tem andado mansinho? Aliás comparado com o ministro Pedro Silva Pereira, o PM parece um agente de apoio psicológico após uma grande catástrofe em vez de um polícia anti-motim. Wrong!! Conhecem o número do polícia bom versus polícia mau? Por ironia do destino e uma reviravolta telenoveleira, Sócrates é o bom. Go figure?!

Com esta coisa do OE11 por resolver, o povo luso deve começar a pensar em comprar muito Halibut ou uns agrafos, pois a coisa pública vai mesmo tentar rachar-vos os lusus ânus ao meio. A única hipótese de não ganharem um andar novo é, como tinha dito na semana passada, mandarmos abater o Estado social! Ele já está muito parecido a uma perdiz de asa partida, pelo que é agora ou nunca! Cartuchada nele! Ou matamos a perdiz e vivemos à sombra do capitalismo, ou vamos viver com o Estado a empurrar-nos por trás com um grande, grosso e negro défice. Bem, ainda assim não deve ser muito mais penoso do que ver o Miguel Relvas fazer política.

É a Economia, lusus anus f*didus.


Nota do autor (2015): Pedro Biltre Farfalho é um personagem fictício, supostamente versado em economia. Com uma personalidade estúpida e machista, foi o primeiro neo-liberal português, já que todos os textos foram escritos numa era pré-Passos. E por neo-liberal entenda-se, um prestador de serviços que está onde está o dinheiro.